Scientific Literacy and Digital Technologies in Science Education

A Look at Current Literature

Authors

Abstract

This article is a part of a broader investigation developed in a master's course. In this text we aim to present and discuss the results of a systematic literature review that analysed studies dealing with Scientific Literacy in conjunction with Digital Information and Communication Technologies in Science Education. The time frame covered the years 2014 to 2018 and four databases were consulted, two national and two international. This review is justified by the current and necessary discussion on scientific literacy in the context of digital culture that permeates contemporary social and educational relations. In this sense, the use of digital technologies as resources to support the development of scientific literacy also becomes a relevant topic. As a result, the review points to a gap to be filled in view of the small amount of work that clearly focuses on this relationship and the fact that, when this approach occurs, studies present a more utilitarian perspective of technologies, without exploration of its potentialities in an articulated way with the scientific literacy. Another point that deserves to be highlighted is the fact that many studies bring the theoretical-methodological articulation between scientific literacy and the Science, Technology and Society approach.

References

Almeida, M. E. B. (2004). Inclusão digital do professor: formação e prática pedagógica. São

Paulo: Articulação.

Almeida; V. H. & Pimenta, A. C. (2014). Tendências da educação matemática e suas relações com a CTS. Estudos, 41(1), 151-163. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://seer.pucgoias.edu.br/ index.php/estudos/article/download/3374/1960.

Almeida, M. E. B. & Valente, J. A. (2012). Integração Currículo e Tecnologias e a Produção de Narrativas Digitais. Currículo sem Fronteiras, 12(3), 57-82. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://www.curriculosemfronteiras.org/vol12iss3articles/almeida-valente.pdf .

Almeida, M. E. B. & Valente, J. A. (2016). Políticas de tecnologia na educação brasileira: histórico, lições aprendidas e recomendações. São Paulo: Centro de Inovação para a Educação Brasileira – CIEB Estudos. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://cieb.net.br/wp-content/ uploads/ 2019/04/CIEB-Estudos-4-Politicas-de-Tecnologia-na-Educacao-Brasileira-v.-22dez2016.pdf.

Bernardinelli, S. (2014). Nanotecnologia Verde em uma perspectiva CTSA: análise de uma proposta didática WebQuest para a Alfabetização Científica na Educação Básica. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/6599/6289.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

BRASIL, Ministério da Educação. (2014). Edital de Convocação 02/2014 – CGPLI. Convocação para o processo de inscrição e avaliação de obras didáticas para o PNLD 2016. Recuperado em 30 março, 2021 de https://docplayer.com.br/18696183-Edital-de-convocacao-02-2014-cgpli.html.

BRASIL. Ministério da Educação. (2016). Base Nacional Comum Curricular - Proposta preliminar. Recuperado em 18 junho, 2020 de Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ #/site/inicio.

Bosco, E. M. R. (2018). Alfabetização científica no ensino médio por meio do ensino por investigação. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://repositorio.bc.ufg.br/tede/bitstream/tede/9306/5/Disserta%c3%a7%c3%a3o%20-%20Elis%20Marina%20Ribeiro%20Bosco%20-%202018.pdf.

Chassot, A. (2016). Alfabetização científica: Questões e desafios para a Educação (7ª ed.). Ijuí: Editora UNIJUÍ.

Costa, S. R. S., Duqueviz, B. C. & Pedroza, R. L. S. (2015). Tecnologias Digitais como instrumentos mediadores da aprendizagem dos nativos digitais. Psicologia Escolar e Educacional, 19(3), 603–610. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://www.scielo.br/pdf/pee/ v19n3/2175-3539-pee-19-03-00603.pdf.

Gregório, E. A., Oliveira, L. G. & Matos, S. A. (2016). Uso de simuladores como ferramenta no ensino de conceitos abstratos de Biologia: uma proposição investigativa para o ensino de síntese proteica. Experiências em ensino de Ciências, Cuiabá – MT, 11(1), 101-125. Recuperado em 19 março, 2021 de https://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID303/v11_n1_a2016.pdf.

Guanilo, M. C. D. T. U., Takahashi, R. F. & BERTOLOZZI, M. R. (2011). Revisão sistemática: noções gerais. Revista da Escola de Enfermagem, 45(5), 1200-1266. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n5/v45n5a33.pdf.

Jonassen, D. (2007). Computadores, ferramentas cognitivas: desenvolver o pensamento crítico nas escolas. Porto: Editora Porto.

Lorenzetti, L. & Delizoicov, D. (2001). Alfabetização científica no contexto das séries iniciais. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, 3(1), 37-50, 2001. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://www.scielo.br/pdf/epec/v3n1/1983-2117-epec-3-01-00045.pdf.

Luz, R., Araújo-Queiroz, M. B. A. & Prudêncio, C. A. V. (2019). CTS ou CTSA: o que (não) dizem as pesquisas sobre educação ambiental e meio ambiente?. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 12(1), 31-54. Recuperado em 10 setembro, 2020 de https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/19825153.2019v12n1p31.

Maciel, F. R. (2016). Uma proposta didática sobre plantas Medicinais nos anos iniciais do Ensino Fundamental na perspectiva ciência-tecnologia-Sociedade. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/8060/DissFRM.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Marchesan, M. R. & Kuhn, M. C. (2016). Alfabetização científica e tecnológica na formação do cidadão. Revista Thema, 13(3), 118-129. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://www.univates.br/ revistas/index.php/signos/article/view/1375/1234.

Martins Neto, L. E. (2016). Alfabetização visual e científica: aproximação a partir da leitura de imagens de temas da astronomia. Dissertação de Mestrado, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, PR, Brasil. Recuperado em 22 janerio, 2021 de http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/1965/1/PG_PPGECT_M_Martins_Neto%2C%20Luzita_Erichsen_2016.pdf.

Miletto, M. F. (2017). Química no Ensino Fundamental: investigando questões ambientais em uma Ilha Interdisciplinar de Racionalidade. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Pampa. Bagé, RS, Brasil. Recuperado em 22 janeiro 2021 de http://dspace.unipampa.edu.br:8080/jspui/bitstream/riu/1839/1/Disserta%c3%a7%c3%a3oMileneMiletto.pdf.

Neves, N. P. S. & Mercado, L. P. L. (2019). Uso da aprendizagem por simulação no ensino do jornalismo de dados. Comunicologia, 12(1), 129-147. Recuperado em 03 novembro, 2020 de https:// portalrevistas.ucb.br/index.php/RCEUCB/article/view/9964/6265.

Oliveira, S. (2015). Limites e potencialidades do enfoque CTS no ensino de química utilizando a temática qualidade do ar interior. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/37957/R%20-%20D%20-%20SILVANEY%20DE%20OLIVEIRA.pdf?sequence=3&isAllowed=y.

Pedretti, E. & Nazir, J. (2011). Currents in STSE Education: mapping a complex field, 40 years on. Science Education, 95(4), 601-626. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de https://www.researchgate.net/publication/229885212_Currents_in_STSE_Education_Mapping_a_Complex_Field_40_Years_On.

Pereira, R. E. S. & Moreira, L. M. (2018). Caracterizando os itens de química do novo ENEM na perspectiva da alfabetização científica. Ciência & Educação, 24(2), 467-480. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v24n2/1516-7313-ciedu-24-02-0467.pdf.

Pflanzer, R. (2017). Contribuições da temática vida saudável para o processo de alfabetização científica e tecnológica. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R1570-1.pdf.

Pontalti, L. C. (2018). A natureza da ciência nas ciências da natureza: contribuições dos livros didáticos dos anos iniciais no desenvolvimento de habilidades investigativas. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Ramos, S. J. M. Alfabetização científica no ensino de fissão e fusão nuclear para o Ensino Médio. Dissertação de Mestrado em Ensino de Física, Universidade Federal Fluminense, Volta Redonda, RJ, Brasil. Recuperado em 22 janeiro 2021 de https://app.uff.br/riuff/bitstream/1/4434/1/Suami%20Jo%c3%a3o%20Martins%20Ramos%20-%20Disserta%c3%a7%c3%a3o%20Final.pdf.

Ramos, A., Faria, P. M., Faria, Á. (2014). Revisão sistemática de literatura: contributo para a inovação na investigação em Ciências da Educação. Revista Diálogo Educacional, 14(41), 17-36. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de https://www.redalyc.org/pdf/1891/189130424002.pdf.

Ribeiro, T. V. & Genovese, L. G. R. (2015). O emergir da perspectiva de Ensino por Pesquisa de Núcleos Integrados no contexto da implementação de uma proposta CTSA no Ensino Médio. Ciência & Educação, 21(1), 1-29. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://www.scielo.br/ pdf/ciedu/v21n1/1516-7313-ciedu-21-01-0001.pdf.

Rodrigues, L. N. et al. (2015). Educação Química no Projeto Escolar “Quixaba”: alfabetização científica com enfoque CTSA no ensino fundamental a partir de temas sociocientíficos. Orbital: The Electronic Journal of Chemistry, 7(1), 59-80. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de https://pdfs.semanticscholar.org/6146/2d2985db697fee0c809e9a30ae24591ba5eb.pdf.

ROJO, R. (2013). Escol@ conectada: os multiletramentos e a escola. São Paulo: Parábola.

Rothier, E. T. (2007). Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, 20(2), p. 5-6. Recuperado em 22 fevereiro, 2021 de http://www.scielo.br/pdf/ape/v20n2/a01v20n2.pdf.

Sampaio, R.F & Mancini, M.C. (2007). Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista Brasileira de Fisioterapia, 11(1), 83-89. Recuperado em 22 março, 2021 de http://www.scielo.br/pdf/rbfis/v11n1/12.pdf.

Santos, W. L. P. (2007). Contextualização no Ensino de Ciências por meio de temas CTS em uma perspectiva crítica. Ciência & Ensino, 1, 1-12. Recuperado em 10 setembro, 2020 de http://files.gpecea-usp.webnode.com.br/200000358-0e00c0e7d9/AULA%206-%20TEXTO%2014-%20CONTEXTUALIZACAO%20NO%20ENSINO%20DE%20CIENCIAS%20POR%20MEI.pdf.

Santos, W. J. & Silva, I. P. (2017). Potencialidades do filme de ficção Avatar para a alfabetização científica dos sujeitos no contexto da educação básica. Revista de Educação em Ciências e Matemática, 13(28), 51-63. Recuperado em 03 abril, 2021 de https://periodicos.ufpa.br/ index.php/revistaamazonia/article/view/5290/4615.

Sasseron, L. H. & Carvalho, A. M. P. (2011). Alfabetização Científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências, 16(1), 59-77. Recuperado em 13 abril, 2021 de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/844768/mod_resource/ content/1/SASSERON_CARVALHO_AC_uma_revis%C3%A3o_bibliogr%C3%A1fica.pdf.

Sostisso, A. F. Modelação matemática: competência científica de uma licenciatura em matemática. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://tede2.pucrs.br/ tede2/bitstream/tede/3478/1/461943.pdf.

Teixeira, A. M. (2016). Questões sociocientíficas na sala de aula de ciências no ensino fundamental na perspectiva do agir comunicativo. Dissertação de Mestrado, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/2047/1/CT_PPGFCET_Teixeira%2c%20Ana%20Maria_2016.pdf>.

Trindade-Calzado, G. Enfoque CTS no ensino técnico em química integrado: possibilidades do uso da temática impacto ambiental da atividade industrial na disciplina de análise ambiental. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Exatas, Curitiba, PR, Brasil. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/ 1884/52578/R%20-%20D%20-%20GLAUCO%20TRINDADE-CALZADO.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Valente, J. A. (2015). O ensino híbrido veio para ficar. In: Bacich, L., Tanzi Neto, A. & Trevisani, F. M. (orgs.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso.

Valente, J. A. (2016). Integração do pensamento computacional no currículo da educação básica: diferentes estratégias usadas e questões de formação de professores e avaliação do aluno. e-Curriculum, 4(3), 864-897. Recuperado em 23 janeiro, 2021 de https://revistas.pucsp.br/ curriculum/article/view/29051/20655.

Valente, J. A., Almeida, M. E. B. & Geraldini, A. F. S. (2017). Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, 17(52), 455-478. Recuperado em 12 março, 2021 de http://pat.educacao.ba.gov.br/conteudos/conteudos-digitais/ download/10586.pdf.

Vieira, F. L. et al. (2010). Causa do desinteresse e desmotivação dos alunos nas aulas de Biologia. Universitas. Humanas, 7(1), 95-109. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de https://www.researchgate. net/publication/259358993.

Zanotto, R. L. (2015). Saberes populares: recurso para o ensino de conceitos químicos num enfoque CTS. Dissertação de Mestrado, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, PR, Brasil. Recuperado em 22 janeiro, 2021 de http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/fevereiro2016/quimica_dissertacoes/dissertacao_ricardo_luiz_ zanotto.pdf.

Published

2022-03-20

Issue

Section

Article