Learning Process for Elderly People

Possibilities and Challenges of Learning in the Workplace

Authors

Abstract

This article was originated from a research conducted with elderly workers who live in small towns in the mountain range of Rio Grande do Sul. The main objective is to analyze the way these workers perceive their learning at work. Therefore, 20 formally employed elderly workers were interviewed, from both sexes. Semi-structures interviews were performed through the Content Analysis data processing technique, and two categories have been stablished a posteriori: learning and digital technology. The outcomes, which were achieved by utilizing the arrangement between theoretical features and the elderly’s discourse analysis, included aspects of brain functionality, learning, digital technology, and the market place. It was shown that the learning process occurs throughout the whole life cycle, and there should be better opportunities for the elderly to keep active and healthy at their workplace. A good strategy for this is through digital inclusion, which can challenge and encourage elderly workers to go after knowledge. Along with being employed, acquiring knowledge of digital technology is a source of cognitive stimulant and also a way to achieve independence and autonomy, which can lead to well-being and quality of life for people in this stage of life.

References

Agência Nacional de Saúde Suplementar (2011). Manual técnico para promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças na saúde suplementar (4ª ed).Rio de Janeiro, RJ: ANS.

Agra, G., Formiga, N. S., Oliveira, P. S., Costa, M. M. L., Fernandes, M. G. M. & Nóbrega, M. M. L. (2019).Análise do conceito de Aprendizagem Significativa à luz da Teoria de Ausubel. Revista Brasileira de Enfermagem, 72(1), 248-255.

Andrade, A. L., Ordonez, T. N., Lima-Silva, T. B., Batistoni, S. S. T., Yassuda, M. S., Melo, R. C., Domingues, M. A. et. al. (2012). Estilos de Aprendizagem na velhice: uma investigação entre idosos participantes de uma Universidade Aberta à Terceira Idade. Revista Temática Kairós Gerontologia,15(7), 155-179.

Baltes, P. (1987). Theoretical propositions of life-span developmental psychology: On the dynamics between growth and decline. Developmental psychology,23(5), 611-626.

Barbosa, G. R. P. (2016). A importância da Educação na Velhice: alunos idosos na EJA. Revista Escritos e Escritas na EJA, 5(1), 30-39.

Barbosa, G. A., Silva, A. T. V., Lima, C. A. & Junior, L. L. C. (2019). Principais obstáculos da inclusão digital na terceira idade: uma revisão sistemática. In: VI Congresso Internacional de Envelhecimento Humano. Campina Grande, Brasil: Realize Editora. Recuperado de https://www.editorarealize.com.br/index.php/artigo/visualizar/54053

Barboza, V. M. & Wisniewski, M. S. W. (2017). A psicopedagogia e a aprendizagem em idosos. Revista Perspectiva, 41(156), 29-38.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo ((L. A. Reto & A. Pinheiro, Trads.). São Paulo: Edições 70. (Trabalho original publicado em 1977)

Barros, L. & Raymundo, T. M. (2021). Envelhecimento, trabalho e tecnologia: motorista de aplicativos como possibilidade laboral para a população 50+. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 29,1-20.

Berlingeri, M. M. (2018). Competências socioemocionais e mercado de trabalho: um estudo para o caso brasileiro.Dissertação de mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, Brasil. Recuperado de https://teses.usp.br/teses/disponiveis/96/96131/tde-17092018-115134/publico/MatheusMBerlingeri_Corrigida.pdf

Bernal, A. O. (2010). Psicologia do trabalho em um mundo globalizado: como enfrentar o assédio psicológico e o estresse no trabalho. Porto Alegre, RS: Artmed.

Cachioni, M., Ordonez, T. N., Batistoni, S. S. T. & Lima-Silva, T. B. (2015). Metodologias e estratégias pedagógicas utilizadas por educadores de uma Universidade Aberta à Terceira Idade. Educação & Realidade, 40(1), 81-103.

Câmara, R. H. (2013). Análise de conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 6(2), 179-191.

Camarano, A. A. (Org.) (2014). Novo regime demográfico: uma nova relação entre população e desenvolvimento?. Rio de Janeiro, RJ: Ipea.

Carvalho, A. S. (2009). Gestão de pessoas e envelhecimento: sentido do trabalho para o idoso. In: XXXIII Encontro da Anpad. São Paulo, Brasil. Recuperado de http://www.anpad.org.br/admin/pdf/GPR3213.pdf

Carvalho, M. C. B. N. M. (2007). O diálogo intergeracional entre idosos e crianças : projeto 'Era uma vez... atividades intergeracionais. Dissertação de mestrado não-publicada, Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil. Recuperado de https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=11345@2

Centro Internacional da Longevidade (2019). Os caminhos para o aprendizado ao longo da vida. In: Fórum Internacional Da Longevidade. Rio de Janeiro, Brasil. Recuperado de https://www.ilcbrazil.org/portugues/category/forum-internacional-de-longevidade/

Cepellos, V. M. (2013). O envelhecimento nas organizações: das percepções de gestores de recursos humanos às práticas de gestão da idade. Dissertação de mestrado não-publicada, Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas. São Paulo, Brasil. Recuperado de https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/10588/Vanessa%20M.%20Cepellos.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Cosenza, R. N. & Guerra, L. B. (2011). Neurociência e educação. Porto Alegre, RS: Artmed.

Gehlen, M. H. & Stobaus, C. D. (2019). O ensino e a aprendizagem no atendimento geriátrico-gerontológico: uma possibilidade educativa. Revista Kairós-Gerontologia, 22(2), 417-440.

Guimarães, F. T., Ito, G. C. & Yamanoe, M. C. P. (2019). Inclusão Digital na Terceira Idade: Considerações sobre a Experiência com a Informática. In: Anais do Workshop de Informática na Escola (p. 964-973). Brasília, Brasil.

Honorato, C. A., Dias, K. K. B.& Dias, K. C. B. (2018). Aprendizagem significativa: uma introdução à teoria. Mediação, 13(1), 22-37.

Karl. M. (2011) O Capital. Vol. 1. (Enderle, R. Trad.) São Paulo, SP: Boitempo Editorial. (Trabalho original publicado em 1867).

Mollo-Bouvier, S. (2005). Transformação dos modos de socialização das crianças: uma abordagem sociológica. Educação & Sociedade, 26(91), 391-403.

Nóbrega, M. F. F. (2019). Educação na terceira idade: uso das Tecnologias da Informação e Comunicação por idosos em Campina Grande-PB.Tese de doutorado não publicada, Doctorado en Ciencias de La Educación, Facultad de Ciencias Jurídicas, Universidad Autónoma de Asunción. Asunción, Paraguay.

Nunes, M. L., Costa, J. C. & Souza, D. G. (2021). Entendendo o funcionamento do cérebro ao longo da vida. Porto Alegre, RS: EDIPUCRS.

Pelizzari, A. Kriegl, M. L., Baron, M. P., Finck, N. T. L. & Dorocinski, S. I. (2002). Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. Revista PEC, 2(1), 37-42.

Raymundo, T. M. & Castro, C. S. S. (2020). Análise de um programa de treinamento de trabalhadores mais velhos para o uso de tecnologias: dificuldades e satisfação. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 22 (5), 1-12.

Ribeiro, R. L., Borges-Andrade, J. E. & Marciano, J. L. P. (2005). Motivação para aprendizagem informal no trabalho.In Anais do 29º Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração-EnANPAD. Brasília, Distrito Federal: Brasil.

Silveira, M. M., Kümpel, D. A., Rocha, J. P., Pasqualotti, A. & Colussi, E. L. R. (2011). Processo de aprendizagem e inclusão digital na terceira idade. Revista Tecnologia e Sociedade, 7(13).

Sousa, A. M. O. P. & Alves, R. R. N. (2017). A neurociência na formação dos educadores e sua contribuição no processo de aprendizagem. Revista Psicopedagogia, 34(105), 320-331.

United Nations (2020). World Population Ageing 2019. Department of Economic and Social Affairs- Population Division. Recuperado de. https://www.un.org/en/development/desa/population/publications/pdf/ageing/WorldPopulationAgeing2019-Report.pdf

World Health Organization (2005). Envelhecimento ativo: uma política de saúde (1ª ed.Gontijo, S. Trad.). Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde.

Published

2022-03-20

Issue

Section

Article