THE USE OF ASSISTIVE TECHNOLOGIES WITH BLIND OR LOW VISION PEOPLE: A REVIEW OF THE LITERATURE

Suelen Aparecida Felicetti, Elaine Maria dos Santos, Sandro Aparecido dos Santos

Abstract


The blind or low vision people should exercise, in equal conditions, the rights and duties, which assure them the citizenship. To do this, they can use differentiated resources, that facilitate or promote the development of functional skills and, consequently, the social inclusion, between which stand out the Assistive Technologies (TA). Thus, this article presents the results of a literature review from the years 2007 to 2015, which aimed to analyze which are the TA that can be used by blind or low vision people in the social context, and how they influence in the inclusion. The methodology used was a bibliographical and documentary research about TA, blindness and low vision, realized in the virtual library Scielo and in the Portal Periódicos CAPES. It was selected brazilian articles that mentioned the theme, which were, later, analyzed and categorized, according common elements perceived, and served as a basis for the considerations and discussions presented here. It was mainly perceived, that the resources in question are used in different social contexts and with varied purposes, and that they allow greater independence for the users. The final considerations pointed to the importance of the TA study related withblindness or low vision people, to the awareness of society against prejudice, and to the implementation of public policies to support the use of these resources with the public in question.

References


AMIRALIAN, Maria Lúcia Toledo Moraes. Sou cego ou enxergo? As questões da baixa visão Am I blind or seeing? The questions of low vision. Educar em Revista, n. 23, p. 15-28, 2004.

AMORIM, ESM dos S.; CARVALHO, de JL; MENEZES, Luana KB. Educação de cegos mediada pela tecnologia. Secretaria de Educação de Salvador. Salvador, 2009.

BARBOSA ET AL. Desenvolvimento de tecnologia assistiva para o deficiente visual: utilização do preservativo masculino. Rev Esc Enferm USP, v. 47, n. 5, p. 1163-9, 2013.

BERSCH R. Introdução à Tecnologia Assistida. Centro Especializado em desenvolvimento Infantil. Porto Alegre; 2008. p.1-19.

BRASIL, Ministério da Educação: Secretaria da Educação Especial. Portal de ajudas técnicas Equipamento e material pedagógico especial para educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física: tecnologia assistiva: recursos de acessibilidade ao computador. Brasilia: ABPEE - MEC : SEESP, 2006. 66 p. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2015.

BRASIL. Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Comitê de Ajudas Técnicas. Tecnologia Assistiva. Brasília: CORDE, 2009. 138 p.

CARLI, Andréa de. Efeitos da introdução das TIC´S no ensino de ciências da educação básica. 2013. 72 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Educação em Ciências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013

CAT Comitê de Ajudas Técnicas, 2007. Ata da Reunião VII, de dezembro de 2007, Comitê de Ajudas Técnicas, Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (CORDE/SEDH/PR). Disponível em Acesso em 12 ago. 2015

CAVALCANTE, Luana Duarte Wanderley et al. Tecnologia assistiva para mulheres com deficiência visual acerca do preservativo feminino: estudo de validação. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 49, n. 1, p. 14-21, 2015.

CEZARIO, Kariane Gomes; PAGLIUCA, Lorita Marlena Freitag. Tecnologia assistiva em saúde para cegos: enfoque na prevenção de drogas. Esc Anna Nery Rev Enferm, v. 11, n. 4, p. 677-81, 2007.

DE JESUS, Lana Tuan Borges; SAMPAIO, Alexandra da Silva Santos; BONILLA, Maria Helena Silveira. Tecnologia assistiva para crianças cegas: produtos de apoio para a mobilidade pessoal. Revista Educação Especial, v. 1, n. 1, p. 163-178, 2014.

FERRONI, Marília Costa Câmara; GASPARETTO, Maria Elisabete Rodrigues Freire. Escolares com baixa visão: percepção Sobre as dificuldades visuais, opinião Sobre as relações com comunidade escolar E o uso de recursos de tecnologia assistiva nas atividades cotidianas. Rev. bras. educ. espec, v. 18, n. 2, p. 301-318, 2012.

FUNDAÇÃO DORINA. Deficiência visual. 2015. Disponível em: . Acesso em: 6 jul. 2015.

GALVÃO FILHO, T. A. A Tecnologia Assistiva: de que se trata? In: MACHADO, G. J. C.; SOBRAL, M. N. (Orgs.). Conexões: educação, comunicação, inclusão e interculturalidade. 1 ed. Porto Alegre: Redes Editora, p. 207-235, 2009.

GARCIA, Jesus Carlos Delgado; PASSONI, Irma Rossetto; GALVÃO FILHO, Teófilo Alves. A inovação em tecnologia assistiva no brasil: possibilidades e limites. In: I Simpósio internacional de estudos sobre a deficiência, 2013, São Paulo. Anais... . São Paulo: USP, 2013. v. 1, p. 1 - 15. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2015.

GASPARETTO, Maria Elisabete Rodrigues Freire et al. Utilização de recursos de tecnologia assistiva por escolares com deficiência visual. Informática na educação: teoria & prática, v. 15, n. 2, 2012.

GIL, ANTONIO CARLOS. Como elaborar projetos de pesquisa. 3.ed., São Paulo: Atlas, 2002.

JANNUZZI, G. M. A. A luta pela Educação do Deficiente Mental no Brasil. 2 ed., 1992 Campinas. Disponível em Acesso em: 20 jun. 2015

KASTRUP, Virgínia et al. O aprendizado da utilização da substituição sensorial visuo-tátil por pessoas com deficiência visual: primeiras experiências e estratégias metodológicas. Psicologia & Sociedade, v. 21, n. 2, p. 256-265, 2009.

LIMA, Manoela Maria Liomiza Pereira de. A importância das tecnologias assistivas para a inclusão de alunos com deficiência visual. 2011. 60 f. Monografia (Especialização) - Curso de Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão, Universidade Aberta do Brasil UAB, Brasília, 2011. Cap. 5. Disponível em: Acesso em: 24 ago. 2015.

MANZINI, Eduardo José. Formação do professor para o uso de tecnologia assistiva. Cadernos de Pesquisa em Educação PPGE-UFES, p. 11-36, 2013.

MONTEIRO, Mayla Myrina Bianchim; MONTILHA, Rita de Cássia Ietto; GASPARETTO, Maria Elisabete Rodrigues Freire. A atenção fonoaudiólogica e a linguagem escrita de pessoas com baixa visão: estudo exploratório. Rev. Bras. Ed. Esp, Marília, v. 17, n. 1, p.121-133, jan. 2011. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2015.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, v. 9. n. 2, p. 191-211, 2003.

SÁ, Elizabet Dias de; SIMÃO, Valdirene Stiegler. Alunos com Cegueira. In: Fortaleza. Ministério da Educação: Secretaria da Educação especial. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: Os alunos com deficiência visual: baixa visão e cegueira. 3. ed. Brasília: MEC, 2010. Cap. 2. p. 1-64. Organizado na Universidade Federal do Ceará. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2015.

SACI. Outros programas (softwares) para deficientes visuais. 2015. USP legal. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2015.

TAVARAYAMA, Rodrigo. O uso de recursos tecnológicos como facilitadores no atendimento educacional especializado com portadores de baixa visão. Nucleus, v. 8, n. 2, 2011.

VARELA, Renata Cristina Bertolozzi; OLIVER, Fátima Corrêa. A utilização de Tecnologia Assistiva na vida cotidiana de crianças com deficiência. Ciência & Saúde coletiva [online], v. 18, n. 6, p. 1773-1784, 2013.




DOI: https://doi.org/10.14571/brajets.v10.n4.275-287



Licensed under :

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.

----------------------------------------------------------------------

Indexing, Scientific Societies and Directories

Logo CAPES Logo periodicos.CAPES Logo Google Scholar

Logo GIF Logo Latindex Logo BASE Logo PKP

Logo DIADORIM Logo IBICT Logo SIS

Logo Gaudeamus Logo ROAD Logo DOAJ