THE PATHS OF FEMALE EDUCATION

Antônia Rosa Almeida, João Bartolomeu Rodrigues, Levi Leonido Fernandes da Silva, Elsa Maria Gabriel Morgado

Abstract


Since man is a man, history has been responsible for showing the progress of life in society and, analyzing the foundations of education, one can understand the advances and setbacks in the segments that support it. One must remember the importance and meaning of education to realize itâ€s contribution to people in particular and to humanity in general. For women, education is a great example of building for citizenship. Female empowerment and its entire universe overlap with the history of education, with the infinite property through the consolidation of social struggles and female resistance to what was imposed by society. The march of women made the role of education multiply in the face of more varied realities, whether in the rural environment or in the urban environment, in the most different spaces. It is known that the motivation for the search for knowledge in the circumstances in which women lived in the past was decisive for being the provocateur of women's empowerment, because it is a right for all, in the journey of the whole social force, family, religion, politics, culture, and work. In what was proposed by the advent of the role in the life of women, it is perceived that the force linked to power, wanting to learn have become more accessible to women and this development throughout life marks the vicissitudes that education manifested in the life of each individual.

References


ALMEIDA, A. R., MORGADO, E. M. G., SILVA, L. L. F., & RODRIGUES, J. B. (2018). A Igualdade de Género na obra cívica e literária da Pedagoga Francisca Senhorinha. In M. ALCÁNTARA, M. G. MONTEIRO, & F. S. LÓPEZ (Coords.), Estudios de Género – Memoria del 56º Congresso Internacional de Americanistas (pp. 450-456). Salamanca: Ediciones Universidad de Salamanca. doi: 10.14201/oAQo251-9

ALMEIDA, R. A. (2007). A Representação da Mulher em “A Judia Rachelâ€: Um Romance do século XIX. (Dissertação de Mestrado). Universidade Vale do Rio Verde, UNINCOR.

ALMEIDA, R. A. (2017). Educação e História: As Representações do século XIX em Francisca Senhorinha. (Tese de Doutoramento em Ciências da Educação). Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real.

BEAUVOIR, S. (1970). Moral da ambiguidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

CHÃTELET, F. (1981). História da filosofia: ideias, doutrinas. Rio de Janeiro: Zahar.

COMTE-SPONVILLE, A. (2003). Dicionário filosófico. São Paulo: Martins Fontes.

FILHO, G. S. (1989). Apontamentos de introdução à educação ambiental. INAMB. Lisboa: Instituto Nacional do Ambiente.

FLORESTA, N. (1989b). Opúsculo Humanitário. São Paulo: Cortez.

GADOTTI, M. (2006). Concepção dialética da educação: um estudo introdutório. (15ª ed). São Paulo: Cortez.

GALVÃO, A. M. O., & LOPES, E. M. T. (2010). Território Plural: a pesquisa em história da educação. (1ª ed.). São Paulo: Ática.

GRAMSCI, A. (1987). Obras escolhidas. São Paulo: Martins Fontes.

HAHNER, J. E. (1970). A mulher brasileira e suas lutas sociais e políticas: 1850–1937. São Paulo: Brasiliense.

HEGARTY, S. (2006). Inclusão e educação para todos: Parceiros necessários. In D. RODRIGUES (Ed.), Educação inclusiva: Estamos Fazer progressos? (pp.67-73). Lisboa: FMH.

LEITE, C., & TERRASÊCA, M. (1993). Ser Professor/a num contexto de reforma – Animador, educador e investigador. Cadernos Pedagógicos, Edições Asa.

LERBET, G. (1981). Systéme – alternance et formation d’adultes. Maurecourt: Mésonance.

MORGADO, E. M. G. (2007). A Educação Ambiental nos manuais escolares: um estudo com manuais do 8º ano de escolaridade. (Tese de Mestrado em Biologia e Geologia para o ensino). Universidade de trás-os- Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal.

MORGADO, E. M. G., LICURSSI, B., RODRIGUES, J., CARDOSO, M. & SILVA, L. L. F. (2018). Evolução Histórica e conceptual da Educação Especial: um olhar centrado no quadro normativo em Portugal. Br. J. Ed., Tech. Soc., 11(3), 416-426. doi: 10.14571/brajets.v11.n3

NADER, M. B., & RANGEL, L. A. S. (2014). Mulher e gênero em debate: representações, poder e ideologia. Vitória: EDUFES.

OLIVEIRA, M. T. M. (1991). Falando de didáctica da Biologia. In M. T. M. OLIVEIRA, (Coord.), Didáctica da Biologia (pp.24-26). Lisboa: Universidade Aberta.

OSÓRIO, A. C. (1905). Às Mulheres Portuguesas. Lisboa: Livraria Editora Viúva Tavares Cardoso.

PERROT, M. (2001). A História das Mulheres. Cultura e Poder das Mulheres: ensaio de historiografia. Revista Gênero, 2(1), 7-30.

PRIORE, M. (2004). História das mulheres do Brasil. São Paulo: Contexto.

SAVIANI, D. (1991). Educação: do senso comum à consciência filosófica. (10ª ed.). São Paulo: Cortez: Autores Associados.

SCOTT, J. (1995). Gênero: uma categoria de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.

SOIHET, R., & PEDRO, J. M. (2007). A emergência da pesquisa da História das Mulheres e das Relações de Gênero. Revista Brasileira de História, 27(54), 281-300.

TEDESCHI, L. A. (2012). As mulheres e a história: uma introdução teórico metodológica. Dourados, MS: Ed. UFGD.




DOI: https://doi.org/10.14571/brajets.v13.n1.79-84



Licensed under :

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.

----------------------------------------------------------------------

Indexing, Scientific Societies and Directories

Logo CAPES Logo periodicos.CAPES Logo Google Scholar

Logo GIF Logo Latindex Logo BASE Logo PKP

Logo DIADORIM Logo IBICT Logo SIS

Logo Gaudeamus Logo ROAD Logo DOAJ