TEACHER TRAINING ABOUT CHRONIC NON-COMMUNICABLE DISEASES

Renata Godinho Soares, Amanda Machado Teixeira, Jaqueline Copetti

Abstract


The objective of this study was to identify the knowledge about chronic noncommunicable diseases (DCNT) and Physical Activity level of physical education teachers from the three largest state schools in Alegrete, RS, as well as to suggest a proposal for an active methodology to work with the theme in the classroom. In the study, a questionnaire was used to evaluate knowledge about the association between risk factors and CNCD. The mean age of the investigated individuals was 45 years, being four men and five women and the majority was considered physically active. When asked about Arterial Hypertension, Acute Myocardial Infarction and Obesity, most answered affirmatively about the four risk factors being associated; as for Diabetes Mellitus, the majority claimed to be caused by sedentary lifestyle and poor diet, with doubts about alcohol and denying that smoking could be a risk factor; the greatest divergence according to the literature was related to chronic diseases: Lung Cancer, Depression and Cirrhosis, and the risk factors Smoking and Abusive Alcohol Consumption. Considering the scientific literature, it is possible to infer that there is a need for continuous training regarding issues related to smoking and alcohol abuse and its association with DCNT. In this way, instigating the teacher to seek a more in-depth knowledge and scientific basis, will help him to be able to guide and assist in the prevention and promotion of adolescent / student health.

References


AFONSO J. A., et al. Nível de Atividade Física dos professores de Educação Física nas academias de Ubá-MG. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. v.11. n.66. Maio/Jun. 2017, p.293-300.

BARROWS, H. S. A Taxonomy of Problem-Based Learning methods. Medical Education, v.20, 1986, p. 481-486.

BORGES T. T., et al. Conhecimento sobre fatores de risco para doenças crônicas: estudo de base populacional. Caderno de Saúde Pública; v. 25, n. 7, 2009, p. 1511-1520.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento da Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2006: uma análise da desigualdade em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: http://bit.ly/2KAgjn9 Acesso em: 13 jun. 2018.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2010: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, MS; 2011. Disponível em: Acesso em: 14 mai. 2018.

BRITO W. F., et al. Nível de atividade física em professores da rede estadual de ensino. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 46, n. 1, p. 104-109, Feb. 2012.

COPETTI J., et al. Conhecimento dos professores de Educação Física para abordagem do tema saúde em suas aulas. Rev. Bras. Ci. e Mov; v. 20, n. 4, 2012, 26-33.

COPETTI J., et al. Conhecimento de Adolescentes sobre Saúde e Fatores de Risco para Doenças e Agravos Não Transmissíveis: Sugestão de Abordagem Interdisciplinar. Rev. Ciências e Ideias, v.4, n.2, 2013, p. 123-142.

FRIEDENREICH C. M., NEILSON H. K., LYNCH B. M. State of the epidemiological evidence on physical activity and cancer prevention. Eur J Cancer; 46 (14): 2593-604, 2010.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOSTTSCHALL, C. B. A.; BUSNELLO, F. M. Nutrição e Síndrome Metabólica. São Paulo: Atheneu, 2009.

GROWING up unequal: gender and socioeconomic differences in young people’s health and well-being: health behaviour in school-aged children (HBSC) study: international report from the 2013/2014 survey. Copenhagen: World Health Organization - WHO, Regional Office for Europe, 2016. 276 p. (Health policy for children and adolescents, n. 7. Disponível em: . Acesso em: mai. 2018.

HALLAL P. C., et al; Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. The Lancet Physical Activity Series Working Group. Jul 21 2012; 380 p. 247-257.

IBARRA O., et al. The Mediterranean diet and micronutrient levels in depressive patients. Nutricion hospitalaria; 2015; v. 31, n. 3, p. 1171-1175.

LEITE, L.; ESTEVES, E. Ensino orientado para a Aprendizagem Baseada na Resolução de Problemas na Licenciatura em Ensino da Física e Química. In: Bento Silva e Leandro Almeida (Eds.). Anais... VIII Congresso Galaico-Português de Psicopedagogia. Braga: CIED - Universidade do Minho, 2005, p. 1751-1768.

LIMA, D. F.; LUIZ O. C. Atividade física na promoção da saúde: uma avaliação das diretrizes. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 36, n. 2, jul./dez. 2015, p. 57-66.

MAHAN L. K., ESCOTT-STUMP S. Krause's food & nutrition therapy. 12 ed. St. Louis, Mo.: Saunders/Elsevier, 2008.

MALCON M. C., et al. Efetividade de uma intervenção educacional em tabagismo entre adolescentes escolares. Rev Bras Epidemiol 2011; v. 14 n.01, p. 63-72.

MALTA D. C., MERHY E. E. O percurso da linha do cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 14, n. 34, Sept. 2010 p. 593-606.

MALTA D. C. Doenças Crônicas Não Transmissíveis e o Suporte das Ações intersetoriais no seu enfrentamento. Ciênc. saúde coletiva vol.19, no.11, Rio de Janeiro, Nov. 2014, p. 4341-4350.

MATSUDO, S.; et al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e produtibilidade no Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, Pelotas, 2001, v.6, n. 2, p.5-18.

MOTA JÚNIOR, J. R.; et al. Level of physical activity in basic education teachers evaluated by two instruments. Journal of Physical Education, v. 28 e.2833, 2017.

PACE A. E., et al. Knowledge on diabetes mellitus in the self care process. Rev Lat Am Enfermagem; v. 14 n. 5, 2006, p. 728-734.

PINHÃO, F.; MARTINS, I. Diferentes abordagens sobre o tema saúde e ambiente: desafios para o ensino de ciências, Ciência & Educação, Bauru, v. 18, n. 4, 2012, p. 819-836.

REZENDE, L. F.; et al. Effect of Physical Inactivity on Major NonCommunicable Diseases and Life Expectancy in Brazil. Journal of Physical Activity and Health, Champaign, v. 12, n. 3, 2015, p. 299-306.

ROMBALDI A. J., et al. Conhecimento de professores de educação física sobre fatores de risco para doenças crônicas de uma cidade do sul do Brasil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum; v. 14, n. 01, 2012, p. 61-72.

SATO, T.; et al. Doenças Crônicas Não Transmissíveis Em Usuários De Unidades De Saúde Da Família - Prevalência, Perfil Demográfico, Utilização De Serviços De Saúde E Necessidades Clínicas. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2017, V. 21, N. 01, p. 35-42.

SERAFIM T. S., et al. Influência do conhecimento sobre o estilo de vida saudável no controle de pessoas hipertensas. Acta Paul Enferm; v. 23, n. 5, 2010, p. 658-664.

SOUZA S. C., DOURADO L. Aprendizagem Baseada Em Problemas. Aprendizagem Inovadora para o Ensino Educativo. Holos, Ano 31, Vol. 5, 2015, p. 182-200.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Preventing chronic diseases: a vital investment. Geneva: WHO; 2005. Disponível em: < http://bit.ly/2Fp6JPs> Acesso em: 20 out. 2018.

______. Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva: WHO; 2011. Disponível em: < http://bit.ly/2MY3Z1O> Acesso em: 20 out. 2018.

______. Global status report on noncommunicable diseases 2014. Geneva, 2014. Disponível em: < http://bit.ly/2FnzRXt>.Acesso em: 03 jan. 2018.




DOI: https://doi.org/10.14571/brajets.v12.n2.160-168



Licensed under :

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.

----------------------------------------------------------------------

Indexing, Scientific Societies and Directories

Logo CAPES Logo periodicos.CAPES Logo Google Scholar

Logo GIF Logo Latindex Logo BASE Logo PKP

Logo DIADORIM Logo IBICT Logo SIS

Logo Gaudeamus Logo ROAD Logo DOAJ