COMICS: A BRIEF HISTORY, CONCEPTS AND USE IN THE TEACHING OF NATURAL SCIENCES

Victor João da Rocha Maia Santos, Rosane Nunes Garcia

Abstract


Comics have always been and will always be a mass medium whose focus is entertainment; however, as a type of language, its use and adaptation for the educational environment is relatively recent. In the 1980s in Brazil textbooks started to display some comics. Nonetheless, only in 1997, with the creation of PCNs, were comics officially incorporated in the classroom pedagogical praxis. The term “comic strips†and its many variations have mainly negative connotations, which have persisted until now and which have impacted the potential of this type of language in Education. Nevertheless, Brazilian researchers in the area, such as Waldomiro Vergueiro, Sonia Luyten, Franciso Caruso, and others believe comic strips can be used as a pedagogical resource on every educational level, with no restrictions. Due to the fact that it is an autonomous language, comic strips are also a writing genre, which usually employs verbal and nonverbal aspects. Thus, reading the visual information that is present in comic strips can indicate a visual narrative that allows for an experience as intense as that of reading verbal aspects, since they complement one another. Therefore, comic strips are a medium that can aid formal learning of Natural Sciences thanks to its fast, dynamic and extremely visual reading, which facilitates the explanation of scientific content on any level of education, working as a motivator in the learning process.

References


Alves, G. de O. A. (2010, novembro, dezembro). Arte rupestre: o fazer do artista paleolítico. Mneme - Revista De Humanidades, 9(23), 54-69. Recuperado de https://periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/372

Andraus, G. (2006). As histórias em quadrinhos como informação imagética integrada ao ensino universitário (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, São Paulo.

Bari, V. A. (2008). O potencial das histórias em quadrinhos na formação de leitores: busca de um contraponto entre os panoramas culturais brasileiro e europeu. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, São Paulo.

Cagnin, A. L. (2015). Os quadrinhos: um estudo abrangente da arte sequencial, linguagem e semiótica. São Paulo: Criativo.

Cagnin, A. L. (1991). Quadrinhos: uma escrita nova. In: E. D. Pacheco (Org), Comunicação, educação e arte na cultura infanto-juvenil. (pp. 67-84). São Paulo: Loyola.

Cagnin, A. L. (1996). Yellow Kid, o moleque que não era amarelo. Comunicação & Educação, (7), 26-33. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36261

Caruso, F., & Silveira, C. (2009). Quadrinhos para a cidadania. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 16(1), 217-236. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v16n1/13.pdf

Carvalho, A. M. P. & Gil-Pérez, D. (2011). Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. (10a ed.). São Paulo: Cortez.

Carvalho, D. (2006). A educação está no gibi. Campinas: Papirus.

Chinen, N. (2015). Linguagem HQ: Conceitos Básicos. (2a ed.). São Paulo: Criativo.

Coutinho, C. P. & Bottentuit Junior, J. B. (2007). Utilização da Técnica de Brainstorming na Introdução de um Modelo de E/B-Learning numa Escola Profissional Portuguesa:a perspectiva de professores e alunos. Madrid. In Santana, M. O. R., Ramos, M. A., & Alves, A. B. (Org.), Encontro Internacional Discurso Metodologia e Tecnologia : actas do Encontro Internacional Discurso Metodologia e Tecnologia, Miranda do Douro, Portugal, pp. 102-118. Recuperado de http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/7351/1/Discurso%2cmetodologia%20e%20tecnologia.pdf.pdf

Delizoicov, D., Angotti, J. A., & Pernambuco, M. M. (2011). Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. (4a ed.). São Paulo: Cortez.

Eisner, W. (1989). Quadrinhos e arte sequencial. São Paulo: Martins Fontes.

López, C. C. (2007). Análisis y Características del Dibujo Infantil. Jaén-España: Íttakus, sociedad para la información, S.L.

Lucchetti, M. A. (2001, janeiro, dezembro). O menino amarelo: O nascimento das histórias em quadrinhos. Revista Olhar, 3(5-6), 1-4, 74. Recuperado de http://www.ufscar.br/~revistaolhar/pdf/olhar5-6/yellowkid.pdf

Luyten, S. M. B. (2011). História em quadrinhos: um recurso de aprendizagem. In Salto para o futuro, 23 (pp. 1-30). (Vol. 1). Recuperado de https://www.moodlelivre.com.br /images/stories/pdf_ppt_Doc/181213historiaemquadrinhos.pdf

McCloud, S. (2005). Desvendando os quadrinhos. São Paulo: M. Books do Brasil.

Miller, J. D. (1983). Scientific Literacy: a conceptual and empirical review. Daedalus, 112(2), 29-48. Recuperado de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/844760/mod_resource/content/1/MILLER_A_conceptual_overview_review.pdf

Moreira, M. A. (2010). Mapas conceituais e aprendizagem significativa. São Paulo: Centauro.

Norris, S. P., & Phillips, L. M. (2003). How literacy in its fundamental sense is central to scientific literacy. Science Education, 87(2), 224-240, Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/227504884_How_Literacy_in_Its_Fundamental_Sense_Is_Central_to_Scientific_Literacy

Pozo, J. I. & Crespo, M. A. G. (2009). A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. (5a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Pozo, J. I.; Crespo, M. A. G. (2012, março, maio). A falta de motivação dos alunos pelas ciências. Pátio Ensino Médio, 4(12), 6–9.

Ramos, P. (2009). A leitura dos quadrinhos. São Paulo: Contexto.

Robb, B. J. (2017). A identidade secreta dos super-heróis: a história e as origens dos maiores sucessos das HQs: do Super-Homem aos vingadores. Rio de Janeiro: Valentina.

Silva, C. C. da. (2011). Quem inventou as histórias em quadrinhos?. Recuperado de https://mundoestranho.abril.com.br/cultura/quem-inventou-as-historias-em-quadrinhos/

Silva, L. F. (2006). Associando realidade virtual não-imersiva e ferramentas cognitivas para o ensino de física (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica, Uberlândia.

Souza, H. A. G. (2017). Evolução humana e umwelt. Recuperado de http://documentariohelioagsouza.blogspot.com.br/2017/06/evolucao-humana-e-umwelt.html

Vergueiro, W. (2012). Uso das HQs no ensino. In: A. Rama & W. Vergueiro (Orgs.), Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. (4a ed.). (pp. 7-30). São Paulo: Contexto.

Vergueiro, W. & Ramos, P. (2009). Os quadrinhos (oficialmente) na escola: dos PCN ao PNBE. In: W. Vergueiro & P. Ramos (Orgs), Quadrinhos na educação: da rejeição à prática. (pp.9-42). São Paulo: Contexto.




DOI: https://doi.org/10.14571/brajets.v12.n2.90-100



Licensed under :

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.

----------------------------------------------------------------------

Indexing, Scientific Societies and Directories

Logo CAPES Logo periodicos.CAPES Logo Google Scholar

Logo GIF Logo Latindex Logo BASE Logo PKP

Logo DIADORIM Logo IBICT Logo SIS

Logo Gaudeamus Logo ROAD Logo DOAJ