Initiation to popular piano improvisation: method analysis and elaboration of the didactic proposal

Eliton Perpetuo Rosa Pereira, Otoniel Pereira Gomes

Abstract


The theme of this research focuses on the initiation of improvisation on the popular piano, as a musical educational action to introduce students to this instrument in the universe of improvisation, as a music teaching activity, but mainly as a musical experience activity related to popular music. The study aimed to carry out a comparative analysis of the publications most used by Brazilian popular musicians on harmony and improvisation, in printed editions in Portuguese or translations printed in Brazil. Nine publications with this profile were found and the analysis took place through five main categories: 1) musical initiation; 2) concepts of improvisation; 3) rhythmic, melodic and harmonic aspects; 4) practical exercises (technique and repertoire); and 5) didactic aspects. The results show regularities, specificities, and gaps in these publications most widely circulated in Brazil among popular piano teachers and improvisers. Concerning the process of initiation to improvisation on the popular piano, we highlight aspects related to planning, the sequence of contents, and practical activities.

References


Aebersold, Jamey. (1992). Como improvisar Jazz e Tocar (Vol. 1). Trad. Gil Reyes. New Albany: Jamey Aebersold Jazz Inc., 1992.

Albino, C. (2009). A importância do ensino da improvisação musical no desenvolvimento do intérprete. Dissertação de Mestrado em Música do Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista, UNESP, São Paulo. Disponível em: Acesso em out. de 2018.

Almada, Carlos. (2012). Harmonia funcional. 2.ed. Campinas: UNICAMP.

Almeida, Berenice de. (2020). Processos criativos no ensino do piano. Disponível em: Acesso em out. de 2020.

Alves, Luciano. (1997). Escalas para improvisação: em todos os tons para vários instrumentos. São Paulo: Irmãos Vitale.

Amora, Antônio S. (2003). Minidicionário Soares Amora da língua portuguesa. 19. ed. São Paulo: Saraiva.

Anjos, Ighor P. A. dos; Reis, Carla S. (2019). Breve levantamento de materiais para a introdução ao piano popular brasileiro. Trabalho apresentado no 5º encontro internacional sobre a pedagogia do piano. pp. 112-123. Florianópolis. Disponível em: Acesso em out. de 2020.

Barasnevicius, Ivan. (2009). Jazz, Harmonia e Improvisação. São Paulo: Irmãos Vitale.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Beringer, O.; Dunhill, T. F. (2001). Manual of Scales Arpeggios and Broken Chords For Pianoforte. London: Published by Associated Board of the Royal Schools of Music.

Carlomagno, Márcio C. & Rocha, Leonardo C. (2016). Como criar e classificar categorias para fazer análise de conteúdo: uma questão metodológica. Revista Eletrônica de Ciência Política, 7(1), 173-188.

Cerqueira, Daniel. L. (2018). Iniciação Instrumental Piano. São Luís: UEMAnet/UAB. Disponível em: Acesso em out. de 2020.

Chediak, Almir. (1986). Harmonia & Improvisação. V. 1. Rio de Janeiro: Lumiar.

Collura, Turi. (2008). Improvisação – práticas criativas para a composição melódica na música popular. Vol. 1. São Paulo: Irmãos Vitale.

Costa, Rogério L. M. (2003). O músico enquanto meio e os territórios da livre improvisação. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Curia, Wilson. (1990). Harmonia Moderna e Improvisação. São Paulo: Fermata.

Doroschuk, Robert L. (2001). 88: The Giants of jazz piano. San Francisco: Backbeat Books.

Dourado, Henrique A. (2004). Dicionário de termos e expressões. São Paulo: Editora 34.

Escudeiro, Daniel. (2012). Intertextualidade idiomática na música: apontamentos para um conceito e prática no século XXI. Trabalho apresentado no II SIMPOM 2012 - Simpósio Brasileiro de Pós-Graduandos em Música. UNIRIO, Rio de Janeiro, pp. 200-210. Disponível em: Acesso em agosto de 2019.

Evans, Bill. (2013). Entrevista a Marian McPartland. Capturado de: Acesso em nov. 2018.

Faria, Nelson. (1991). A arte da improvisação: para todos os instrumentos. Rio de Janeiro: Lumiar.

Fernandes, Paula R. B. (2018). Ensino-aprendizagem de piano popular: estratégias e conteúdos. Monografia do Curso de Música - Licenciatura em Piano da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Figueiredo, S. L. (2012). A educação musical no século XX: os métodos tradicionais. In: Jordão, G. et al (Orgs). A música na escola. (pp. 82-95). São Paulo: Allucci & Associados Comunicações.

Filho, Eduardo P. B.; Castellon, Marco E. T. (2016). A técnica violonística pelos métodos ibero-americanos: análise e crítica documental. Trabalho apresentado no IV Simpósio Inter. de Música Íbero-Americana e I Congresso da Ass. Brasileira de Musicologia. Belo Horizonte. Disponível em: Acesso em maio de 2019.

Franco, M. L. P. B. (2012). Análise de conteúdo. Brasília – DF: Líber Livro.

Frega, A. L. (1994). Metodología comparada de la educación musical. Tese de Doutorado em Música. Universidade Nacional de Rosário/Argentina.

Fucci Amato, R. de C. (2007). Educação pianística: o rigor pedagógico dos conservatórios. Revista Música Hodie, 6 (1), 75-96. https://doi.org/10.5216/mh.v6i1.1866

Gainza, Violeta H. de. (1990). Fundamentos da improvisação musical - sínteses e experiências. ISME International Society for Music Education. Associação Portuguesa de Educação Musical - Boletin 67. pp.13-16.

Guest, Ian. (2006). Harmonia: Método Prático. v. 1. Rio de Janeiro: Lumiar.

Junior, Ademir. (2018). Caminhos da Improvisação. Brasília: Ed. ABECER.

Kaplan, José. A. (1987). Teoria da Aprendizagem Pianística. 2 ed. Porto Alegre: Movimento.

Libâneo, José Carlos. (1994). Didática. São Paulo: Cortez Editora.

Lyons, Len. (1983). The Great jazz pianists: speaking of their lives and music. New York: Quill.

Machado, Simone G. (2014). Estudo comparativo de livros didáticos norte-americanos para piano em grupo. Revista Ictus, 13(02). 171-181. Disponível em: Acesso em maio de 2019.

Oliveira, Tiago M. (2018). Materiais didáticos para violão: um recorte para o público iniciante. Monografia do curso de Licenciatura em Música da UFRGS, Porto Alegre.

Reys, Maria C. D.; Garbosa, Luciane W. F. (2010). Reflexões sobre o termo “métodoâ€: um estudo a partir de revisão bibliográfica e do método para violoncelo de Michel Corrette (1741). Revista da ABEM, (24), 107-116.

Sabatella, Marc. (2005). Uma Introdução à Improvisação no Jazz. Tradução de Cláudio Brandt. Florianópolis. Disponível em: . Acesso em dezembro de 2015.

Silva Sá, F. A.; Leão, E. (2015). Materiais didáticos para o ensino coletivo de violão: questionamentos sobre métodos. Revista Música Hodie, 15(2), 176-191.

Zabala, Antoni. (2020) As sequencias didáticas e as sequências de conteúdo. In: ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar (pp. 53-87). Trad. Ernani F. da F. Rosa. Porto Alegre: Artmed.




DOI: https://doi.org/10.14571/brajets.v14.n1.38-55

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Licensed under :

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.

----------------------------------------------------------------------

Indexing, Scientific Societies and Directories

Logo CAPES Logo periodicos.CAPES Logo Google Scholar

Logo GIF Logo Latindex Logo BASE Logo PKP

Logo DIADORIM Logo IBICT Logo SIS

Logo Gaudeamus Logo ROAD Logo DOAJ