Educate in the digital age: teaching-learning processes with digital natives

Vanessa Zucco dos Santos, Eduardo Zilles Borba, Maria de Fátima Reszka

Abstract


The integration of digital technologies with educational practices has been generating debates and questions about the reconfigurations in the teaching and learning process. In fact, the experiences mediated by teachers through devices and technological media stimulate new forms of interaction in the classroom. Anastasiou and Alves (2015), Moran (2015) or Bates (2016) indicate that pedagogical practices in the digital age cause transformations in students and teachers, as they encourage horizontal dialogues, proactivity, cooperation and collective protagonists, which can be understood as teaching-learning process. This article presents a discussion about education in the digital age based on these teaching-learning processes. It is presented a theoretical review followed by an empirical study through an exploratory approach involving participant observations, focus groups and interviews with students and teachers of an Early Childhood and Elementary Education at a municipal school located in Novo Hamburgo, RS (Brazil), which is characterized by encouraging the integration of digital technologies in the classroom. Results point out that teachers and students are adapting to teaching-learning processes, especially through hybrid moments, when digital tools optimize the construction of knowledge in the face-to-face education.

References


Anastasiou, L. & Alves, L. (2015). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Joinville, Editora Univille.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa, Edições 70.

Bates, T. (2016). Educar na era digital: design, ensino e aprendizagem. São Paulo: Art. Educacional.

Caldana, L. (2017). Conservadores, migrantes e nativos: as gerações e a internet. (Online). Disponível em: http://pontoeletronico.me/2017/geracoes-digitais/. Acesso em 11 Mai. 2020.

Carvalho, F. (2010). Neurociências e educação: uma articulação necessária na formação docente. Trabalho, Educação e Saúde, v. 8, n 3. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Rio de Janeiro.

Castells, M. (2005). A sociedade em rede. São Paulo, Paz e Terra.

Costa, I. (2014). Novas tecnologias e aprendizagem. Rio de Janeiro, Ed. Wak.

Fontana, D. (1991). Psicologia para professores. São Paulo, Loyola.

Galafassi, F., Luz, J.C. & Galafassi, C. (2013). Análise Crítica das Pesquisas Recentes sobre as Tecnologias de Objetos de Aprendizagem e Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Revista Brasileira de Informática na Educação (RBIE), v.21, n.3, pp.41-52.

Gallo, P. & Pinto, M. (2010). Professor, esse é o objeto virtual de aprendizagem. Revista Tecnologias na Educação, v.2, n.1, pp.1-12.

Gómez, A. (2015). Educação na era digital: a escola educativa. Porto Alegre, Ed. Penso.

Guerra, L. (2011). O diálogo entre a neurociência e a educação: da euforia aos desafios e possibilidades. (Online). Disponível em: https://www2.icb.ufmg.br/neuroeduca/arquivo/texto_teste.pdf/. Acesso em 04 Jun. 2020.

Iervolino, S. & Pelicioni, M. (2001). A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde. Revista Escola de Enfermagem USP, v 35, n.2, pp.115-21.

Junior, W. (2016). Objetos virtuais de aprendizagem como recursos digitais educacionais. Pedagogia em Foco, v.11, n.5, jan./jun., pp.53-65.

Oliveira, G. (2014). Neurociências e os processos educativos: um saber necessário na formação de professores. Educação Unisinos, v.18, n.1, pp.13-24.

Palfrey, J. & Gasser, U. (2011). Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre, Grupo A.

Reszka, M.F. (2016). A posição de ostra do professor. In: Alfamege-González, A.; Begoña, M; Entrena, R. & Jesús, M. (Eds.). Gobernanza, balance del proceso de Bolonia, condiciones laborales y profesionalidad docente en educación superior. Murcia, Servicio de Publicaciones de la Universidad de Murcia, pp.247-215.

Reszka, M.F.; Graziola Junior, P. (2011). De homo sapiens à homo zappiens: sofrimento psíquico dos professores em formação diante das tecnologias digitais. (Online). Disponível em: http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000032010000100043&lng=en&nrm=iso/. Acesso em 11 jun. 2020.

Spinelli, W. (2005). Aprendizagem Matemática em Contextos Significativos: Objetos Virtuais de Aprendizagem e Percursos Temáticos. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, USP.

Valentini, C. (2010). Aprendizagem em ambientes virtuais: compartilhando ideias e construindo cenários. Caxias do Sul, Educs.

Zawacki-Richter, O.; Anderson, T. (2015). Educação a distância online: construindo uma agenda de pesquisa. São Paulo, Ed. Artesanato Educacional.

Zilles Borba, E. & Zuffo, M. (2015). Do Modus Operandi ao Modus Vivendi: Uma nova percepção de interfaces. In: Romancini, R. e Vassalo de Lopes, M. (Orgs.). Anais do XIV Congresso Ibero-Americano de Comunicação (IBERCOM 2015): comunicação, cultura e mídias sociais. São Paulo: ECA-USP, pp.2585-2597.

Zilles Borba, E. (2020). Towards a full body narrative: a communicational approach to the techno-interactions in virtual reality. Lumina, 14(1), p.37-52. https://doi.org/10.34019/1981-4070.2020.v14.30019




DOI: https://doi.org/10.14571/brajets.v14.n3.421-436

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Licensed under :

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.

----------------------------------------------------------------------

Indexing, Scientific Societies and Directories

Logo CAPES Logo periodicos.CAPES Logo Google Scholar

Logo GIF Logo Latindex Logo BASE Logo PKP

Logo DIADORIM Logo IBICT Logo SIS

Logo Gaudeamus Logo ROAD Logo DOAJ